O S&P e o IBOV

O S&P e o IBOV

Comecei a acompanhar o mercado financeiro em 2008, ano em que as bolsas derreteram mundo afora, inclusive no Brasil. Desde o começo, comprovei com os próprios olhos que o IBOV mantinha uma correlação direta com S&P – o principal índice americano (e do mundo). Contudo, ao final de 2012, os mercados se descolaram. Em 2013 eu buscava compulsivamente o motivo desse distanciamento. Todavia, descobri a razão apenas em 2014: o Brasil tinha ficado para trás pelo efeito Dilma. As mazelas da ex-presidente destruíram a economia local e o mercado financeiro, como sempre, apenas antecipou a tragédia econômica tupiniquim.

Enquanto as bolsas americanas estão em alta desde 2009, num dos mais longevos ciclos de alta de todos os tempos, o IBOV ficou estagnado até o final de 2015. O índice local somente deu sinais de vida em janeiro de 2016. De lá para cá, já subimos mais de 100%. Então, será que já recuperamos todo o tempo perdido?

Façamos uma simples comparação entre o IBOV e o EWZ. Este último é um “ETF Brazil” negociado nos EUA em dólares que segue o desempenho das ações brasileiras. Veja os gráficos. Perceba que, enquanto o IBOV superou o topo de 2008, o EWZ não chegou nem na metade da marca de 2008. Somente por isso, fica bem claro que estamos apenas no começo do ciclo de alta. Outro ponto muito positivo: a economia real no Brasil melhorou muito no pós-Dilma (inflação, taxa de juros, câmbio e confiança dos empresários, dentre outros indicadores) e ainda temos muito para recuperar, especialmente no que tange aos empregos, basta que a eleição de 2018 não atrapalhe a recuperação econômica. É provável que tenhamos vários anos de crescimento pela frente. Se a economia cresce, os lucros das empresas crescem e, consequentemente, as ações seguem em trajetória de alta. Simples.

E o mercado externo pode nos atrapalhar? Com certeza, mas se fizermos o dever de casa, entenda-se, a reforma de previdência em 2018 ou 2019 e a eleição de um Presidente pró-reformas, o início de um ciclo de queda lá deverá nos afetar apenas de maneira pontual e tímida. Lembre-se de que eles estão no final de um ciclo de alta e aqui nem começamos este ciclo.

Por que as bolsas nos EUA devem corrigir em 2018? O mercado de trabalho lá está próximo do pleno emprego e os juros básicos nos EUA começaram a subir, e devem subir mais com a volta da inflação. E ela vai voltar, inexoravelmente. Com o pleno emprego, os salários começarão a subir (menor lucro para as empresas), refletindo em mais dinheiro na economia e mais inflação. Desta forma, uma inflação maior, uma taxa de juros em elevação e a redução do lucro das empresas determinarão a correção no mercado de ações. Outro fator decisivo: nenhum mercado sobe para sempre (alta de mais de 300% desde o fundo em 2008). Em algum momento o mercado americano precisaria corrigir, e me parece que chegou a hora (2018).

Resumindo: o prognóstico para o IBOV é muito bom. Já para o S&P nem tanto. Desta forma, não será desta vez que esses mercados andarão de mãos dadas. A não ser que os eleitores brasileiros decidam pela volta da turma da Dilma ou por coisa pior.

EWZ mensal FEV 2018

IBOV mensal FEV 2018

Sociedade Goiana de Radiologia
Rua João de Abreu, nº1155, sala B-21, Condomínio Aton Business Style Setor Oeste, Goiânia - Goiás
Telefone: (62) 3941-8636
Horário de Atendimento: de segunda à sexta das 9h às 16h

 

Copyright © 2016 Sociedade Goiana de Radiologia. Todos os direitos reservados.

fechar